Ramón, que foi treinado por Dorival em 2013, foi preso pelos treinos


Dorival Júnior Ele tem um perfil discreto e estilo 'paizão', não é um verdadeiro trabalho na frente flamenco. Há alguns anos a realidade era outra. Quando comandou o Mais Querido em 2013, na primeira passagem com os cabelos Loiro-Negros, o treinador tinha um atributo com dois jogadores do elenco, o lateral-esquerdo Ramon, firmado em 2020. Segundo o ex-atleta, o comandante “nem velho” na direção do jovem de 24 anos.

Foi o primeiro jogo do Carioca em 2013, flamenco e Quissamã, não Engenhão. Estava 2 a 0 para o povo, e ele estava com cartão amarelo. Eu jogo resolvido. 40 minutos no segundo tempo, fui expulso. A mulher torta começou a gritar 'burro, burro'. Ou Dorival nem olhou pra mim, e eu pensei 'ele deve ser p***'. Passei três jogos, e eu sem banco. Eu fui falar com ele, perguntei se tinha acontecido alguma coisa, e ele disse 'você não vai mais brincar comigo' — disse Ramón, em entrevista ao 'Charla Podcast'.


Clique aqui e ganhe R$50 de bônus para jogar no galera.bet


Não tente falar com ele para resolver. Hoje eu acho que eu tenho que falar, falar. Eu era moleque, ela tinha 24 anos. Hoje eu penso diferente“, Acrescentou Ramón. Após essa situação, o lateral foi treinar separado do elenco principal por três meses, indo parar no banco de reservas.

Desde então, Ramón nunca mais falou com Dorival Júnior. O jogador se acomodou cedo, aos 34 anos, em 2020, após sofrer sequências de lesões. A última partida do atleta ocorreu em 2018, pelo cabelo basco. Não flamenco, o capixaba de Cachoeiro do Itapemirim-ES fez 31 jogos e um gol. Revelado não internacional, ou ex-lateral passou ainda por corinthians e os turcos Besiktas e Antalyaspor.

Já Dorival Júnior tem marcado presença nas feiras, após conquistar os títulos da Copa do Brasil e da Libertadores da América. Apesar da renovação de dois anos como ou flamenco Estar bem encaminhado, o nome do treinador ainda não está no radar da Seleção Brasileira. Nesta quinta-feira (17), o vice-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Francisco Novelletto, disse que o comandante é “uma bola de cada vez” para substituir Tite após a Copa do Mundo.


Fonte