defensor um seleção brasileira É um privilégio sem tamanho. E ou Cruzeiro Ele sabe como ninguém que existem jogadores representando a nação no maior evento esportivo do planeta. Uma página oficial do clube postou, nas redes sociais, neste domingo (20) uma imagem com os nomes de dois atletas craques que já defenderam o mundial amarelo.

Eles compõem uma lista: Tostão (1966 e 1970), Piazza (1970 e 1974), Fontana (1970), Nelinho (1974 e 1978), Ronaldo (1994), Dida (1998), Edilson (2002) e Gilberto (2010). ). Há também estrangeiros que vestirão o manto celeste e defenderão as cores de seus respectivos países. Perfumo (1974) e Sorín (2002) para a Argentina, Arrascaeta (2018) para o Uruguai e William Andem (1994) para Camarões.

Considerando todos os torneios internacionais, são 63 jogadores do Cruzeiro convocados para a Seleção Brasileira. UMA história A tradição do clube mostra que a participação do clube por nomes na Seleção é gigantesca. Nos últimos anos, porém, tem havido uma forte tendência na convocação de atletas que atuam no futebol europeu.

Tostão no Cruzeiro

O primeiro cruzeirense a ser convocado para disputar uma Copa pela Seleção ainda é o melhor jogador da temporada estrelada, com 245 gols. Ídolo do clube, Eduardo Gonçalves de Andrade, mais conhecido como Tostão, há 75 anos. O ex-meia atuou com o manto celestial no período de 1963 a 1972.

A quantidade de títulos também impressiona. São seis títulos do Campeonato Mineiro e o Campeão Brasileiro de 1966. É considerado o primeiro jogador mineiro a ser convocado para uma Copa do Mundo. Não tricampeão mundial em 1970, Tostão formou um trio ofensivo com Pelé e Jairzinho.

O jogador começou a carreira no futsal no Cruzeiro, em 1961. No ano seguinte, foi para o time de juniores de campo. Na época ele tinha apenas 15 anos. Em 1962, Tostão foi contratado pelo América-MG, mas voltou ao Cabuloso no ano seguinte. Este regresso foi um tanto quanto curioso. Na época, o diretor Felício Brand, priorizou contratando O atleta chegou ao próprio casamento com mais de 30 minutos de atraso.


Fonte